Parabolicamará (Gilberto Gil)- Análise de Texto

Anterior – > http://mpbsapiens.com/expresso-2222/
Expresso 2222 foi escrito no princípio dos anos 70, quando o máximo que
tínhamos, em matéria de computação, eram Cartões Perfurados a mão. O
computador era algo só imaginado na ficção científica. PC, nem em sonho.
Mas as Comunicações, via Microondas, já corriam soltas desde a chegada do
Homem à Lua, o que permitiu, por exemplo, fazermos ligações interurbanas
com maior facilidade, munidos de mostruosas antenas Parabólicas das
companhias telefônicas.
No final da década de 70, começaram a surgir as antenas parabólicas caseiras.
O profético Expresso 2222 ganhava outras formas de análise. Menos
apocalípticas do que as originais, mas ligando o Passado ao Presente no
cotidiano artístico-racial do Gil.
A idéia do Tempo Relativo começou a ganhar a óbvia continuidade do Espaço
Relativo na idéia dele, que comparando a infância, vivida em Salvador no
meio de atabaques, rituais vários e capoeira, com a sua fase mais adulta de
artista, misturou os tempos numa composição chamada Parabolicamará:
Vídeo de Mardosom
Antes mundo era pequeno
Porque Terra era grande
Hoje mundo é muito grande
Porque Terra é pequena
Do tamanho da antena
Parabolicamará
Ê volta do mundo, camará
Ê, ê, mundo dá volta, camará
Antes longe era distante
Perto só quando dava
Quando muito ali defronte
E o horizonte acabava
Hoje lá trás dos montes
dendê em casa camará
Ê volta do mundo, camará
Ê, ê, mundo dá volta, camará
De jangada leva uma eternidade
De saveiro leva uma encarnação
Pela onda luminosa
Leva o tempo de um raio
Tempo que levava Rosa
Pra aprumar o balaio
Quando sentia
Que o balaio ía escorregar
Ê volta do mundo, camará
Ê, ê, mundo dá volta, camará
Esse tempo nunca passa
Não é de ontem nem de hoje
Mora no som da cabaça
Nem tá preso nem foge
No instante que tange o berimbau
Meu camará
Ê volta do mundo, camará
Ê, ê, mundo dá volta, camará
De jangada leva uma eternidade
De saveiro leva uma encarnação
De avião o tempo de uma saudade
Esse tempo não tem rédea
Vem nas asas do vento
O momento da tragédia
Chico Ferreira e Bento
Só souberam na hora do destino
Apresentar
Ê volta do mundo, camará
Ê, ê, mundo dá volta, camará
Aqui Gil volta a cuidar do Tempo Relativo já buscando associá-lo às
distâncias encurtadas do Espaço Físico, com a parabólica aproximando as
distantes regiões da Terra comparada ao Mundo.
O pequeno e imaginário Mundo Racional nosso de outrora dava vez ao
grande e científico Mundo Inimaginário do agora, o que permitiu à Poesia um
maior conforto pelas mãos do poeta, principalmente nas comparações dos
tempos pelos instrumentos de navegação percorrendo os seus espaços:
De jangada leva uma eternidade
De saveiro leva uma encarnação
De avião o tempo de uma saudade
Pela onda luminosa
Leva o tempo de um raio
Tempo que levava Rosa
Pra aprumar o balaio
Quando sentia
Que o balaio ía escorregar
A Jangada é a mais rudimentar das embarcações aquáticas, logo, a sua
velocidade é menor do que a de um Saveiro, que é um pequena barco, já
provido de quilha, leme e vela. Daí a associação com as noções figurativas de
tempo: Eternidade e Encarnação, com a primeira contendo todas da segunda.
Saindo do mar a coisa fica bem mais rápida, principalmente se estiver no ar.
Foi o caso do Avião durar apenas o tempo de uma Saudade, mas a Onda
Luminosa, a mais veloz das embarcações, viaja à velocidade da Luz, que
apenas suspeitamos ser a de 300 mil quilômetros por segundo.
Embora a Ciência tenha oficializado os estudos de Michelson, quanto à
velocidade da Luz ser essa, o próprio Einstein discordava, já que supunha
viajar o Elétron, responsável pela Luz ao despencar, na forma de Fóton, pelos
Níveis Quânticos do átomo, a uma velocidade bem maior, próxima a 540 mil
km/s, daí ele ter elaborado o Paradoxo do Tempo com o trem viajando a 240
mil km/s, como base de uma futura tese acerca  da velocidade real da Luz, que é
que é de origem Quântica, por vir do Fóton.
Voltando à Onda Luminosa do Gil, o tempo de um Raio coincide com o do
movimento de cintura da Rosa aprumando o Balaio Cadente. Uma fração
de segundo. Isso se considerarmos apenas à Luz do raio, pois se tivermos
a idéia de comparar com o som resultante, daí a Rosa é muito mais rápida, já
que, pela distância, o Som demora milhões de vezes mais para ser escutado.
O termo Parabolicamará representa à soma dos significados de antena +
Camará, expressão usada nas rodas de capoeira. Por sinal, todo o arranjo da
música é voltado para a capoeira, onde se destaca o diálogo do Berimbau
com o Contrabaixo, tocado de forma percussiva, além de todo o instrumental
acelerar o Andamento Musical de acordo com o veloz avião, por exemplo.
Gil continuou trabalhando nesse tema em algumas outras composições. Na
próxima ele já começará a falar de PCs adaptados aos sonhos nessa sua
particular Estrada Poética do Tempo.
Próxima – > http://mpbsapiens.com/do-japao/

a

P.S. O leitor Carl Marqx colabou com uma valiosa informação sobre a origem dos nomes, Chico Ferreira e Bento. Ambos são personagens de Dorival Caymmi na música, A Jangada Voltou Só:

http://letras.terra.com.br/dorival-caymmi/45572/

A jangada saiu
Com Chico Ferreira e Bento
A jangada voltou só
a
Com certeza foi lá fora, algum pé de vento
A jangada voltou só…
a
Chico era o boi do rancho
Nas festa de Natar
Chico era o boi do rancho
Nas festa de Natá
a
Não se ensaiava o rancho
Sem com Chico se contá
E agora que não tem Chico
Que graça é que pode ter
a
Se Chico foi na jangada…
E a jangada voltou só… a jangada saiu
Com Chico Ferreira e Bento
A jangada voltou só
Com certeza foi lá fora, algum pé de vento
a
A jangada voltou só…
Bento cantando modas
Muita figura fez
Bento tinha bom peito
E pra cantar não tinha vez
a
As moça de Jaguaripe
Choraram de fazê dó
Seu Bento foi na jangada
E a jangada voltou só

Portanto, sendo a informação de fundamental importância para a melhor compreensão do enredo de Gilberto Gil em Parabolicamará, o MPB Sapiens agradece à colaboração do leitor.

Dalton – 06/12/2012 – 20:20.

a

a       .

  del.icio.us isto!

43 Respostas até o momento »

  1. 1

    vinicius said,

    May 17, 2010 @ 4:20 pm

    gil è um ser elevado á cima de todos nós !

  2. 2

    admin said,

    May 17, 2010 @ 5:12 pm

    Vinícius:

    Concordo plenamente com você.

    Obrigado pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  3. 3

    jacilene said,

    July 5, 2010 @ 9:44 pm

    parabéns!
    amei essa pagina, nossa, é muito bom vc entender a letra de algumas musicas, principalmente Gil, que euamo demais.

  4. 4

    admin said,

    July 6, 2010 @ 10:08 am

    Jacilene:

    Gil é um dos maiores poetas da MPB, por isso, o difícil é não gostar dele, rs.

    Grato pela visita.
    Dalton.

  5. 5

    jonathan said,

    July 19, 2010 @ 1:38 am

    sou professor , uso essa música para falar do mundo globalizado, gente Gil já pensava isso bem antes do mum pensar !

  6. 6

    admin said,

    July 20, 2010 @ 11:26 am

    Jonathan:

    Perdoe pela demora na resposta, pois estive viajando na última semana.

    Parabolicamará é apenas uma das músicas do conjunto que denominei A Fase Relativista do Gil. Você poderá ver toda a evolução, dessa espécie de releitura dele sobre o que Einstein já observara pela Física; desde os anos 70, com Expresso 2222. Sugiro também que você leia o conto Amarra Teu Arado A Uma Estrela, baseado na música integrante do LP O Eterno Deus Mú Dança, em que Gil abordou, nos conteúdos musicais, os costumes dos Sumérios, habitantes pré-diluvianos da Mesopotâmia.

    Em termos de estudos da História das Civilizações, é um prato cheio para você e os alunos.

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  7. 7

    Junior Lopes Cardoso said,

    February 11, 2011 @ 5:04 pm

    Alguem Pode Me Falar Oque esse trecho de gilberto gil quer dizer? :

    “Parabolicamará”
    Antes mundo era pequeno
    porque Terra era grande
    hoje mundo é muito grande
    porque Terra é pequena
    do tamanho da antena
    Parabolicamará
    É, volta do mundo, camará
    É, mundo dá volta, camará
    antes longe era distante
    perto só quando dava
    quando muito ali defronte
    e o horizonte acabava(…)
    (…) de jangada leva uma eternidade
    de saveiro leva uma encarnação
    de avião o tempo de uma saudade
    pela onda luminosa
    leva o tempo de um raio (…)

    Espero Esta Resposta Antesiosamente : junior

    OBRIGADO.

  8. 8

    admin said,

    February 12, 2011 @ 8:08 am

    Júnior Lopes Cardoso:

    Esse pensamento do Gil, assim isolado, fica incompleto diante da original idéia de mostrar que as coisas são Relativas. Assim ficaria melhor:

    Antes mundo era pequeno
    Porque Terra era grande
    Hoje mundo é muito grande
    Porque Terra é pequena
    Do tamanho da antena parabólica (Camará)

    No Passado era muito difícil acessarmos ao vivo as informações ocorridas do outro lado do mundo. À partir da tecnologia espacial, com os satétites orbitais, a humanidade conseguiu enxergar o mundo de outra forma mais ampla.

    Pode ver o que o Gil diz adiante na música:

    Antes tudo era distante
    Perto, só quando dava
    Quando muito, ali defronte
    E o Horizonte acabava…

    Isso era, e ainda é, a visão do ser humano a olho nu. Só que no Presente não mais a utilizamos.

    Interprete o texto inteiro da música, associe as idéias das estrofes e entenderá perfeitamente a Relatividade Tempo-Espaço que o Gil tentou passar.

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  9. 9

    jurema Lins said,

    March 17, 2011 @ 2:00 pm

    Adorei a musica , e as explicações .
    So não sei interpretar ” na hora da tragedia – Chico, Ferreirra e Bento ”
    Peço ajuda
    Jurema Lins

  10. 10

    admin said,

    March 17, 2011 @ 4:05 pm

    Jurema Lins:

    A explicação exata sobre essa passagem da música eu nunca tentei descobrir. Apenas imaginei se tratar de algum folclore baiano, o que requereria muito tempo de pesquisa, e preferi calar a respeito.

    Depois que postei esse bloco de músicas, que rotulei como Fase Relativista do Gil, parece que ele andou explicando algumas coisas em seu site oficial. Sugiro portanto que você procure por lá.

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  11. 11

    Ana said,

    March 22, 2011 @ 10:25 pm

    qUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE O TEMPO DE ”ANTES” E O TEMPO DE HOJE NA MÚSICA?

  12. 12

    admin said,

    March 23, 2011 @ 12:13 am

    Ana:

    Hoje estamos no tempo pós-parabólica. Não viajamos mais de jangada, saveiro. Não precisamos nem de um avião para viajarmos como agora estamos fazendo. Somos da Onda Luminosa.

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  13. 13

    admin said,

    March 29, 2011 @ 7:55 am

    Luck:

    Poderei responder só amanhã, quando estiver com maior folga.

    Grato pela visita e aguarde.
    Dalton.

  14. 14

    Luck said,

    March 29, 2011 @ 7:56 am

    Gostaria de saber qual a relação desta música Parabolicamará com a globalização e a revolução tecnociêntifica, o que ele quer nos transmitir?
    por favor envie comentário para meu email, obg.

  15. 15

    admin said,

    March 29, 2011 @ 8:27 am

    Luck:

    Quando Planck e Einstein trataram da Propagação da Luz pelo elétron, estávamos entre 1919 e 1920. Pela incompetência analítica do restante do mundo, essas afirmativas de ambos foram tidas como paradoxais, embora tivessem dado a cada um o Nobel da Física.

    Foi necessário décadas para que pudéssemos entendê-los.

    O que o Gil fez na música foi apenas transformar a idéia em Poesia, ao traduzir, por linguagem popular, as certezas relativistas ancestrais com idéias imprecisas e comuns ao cotidiano do povo:

    De jangada leva uma Eternidade (?)
    De saveiro leva uma Encarnação (?)
    De avião o tempo de uma Saudade (?)
    Pela onda luminosa leva o Tempo de um Raio (???)

    Confesso que ele exagerou um pouco ao comparar os tempos do Salto Quântico ao de um Raio, ou mesmo ao do movimento do quadril da Rosa, pois, se as velocidades de Som e Luz já são bem diferentes, o que dizer da de um corpo humano?

    Em linhas gerais foi isso. Para entender melhor Parabolicamará seria bom que você consultasse as demais músicas pertencentes ao que chamei de Fase Relativista do Gil. Todas interligadas pelos endereços presentes em cada postagem.

    Bom divertimento, e grato pela visita.
    Dalton.

  16. 16

    awyk lopes said,

    May 1, 2011 @ 10:58 am

    bom dia!desculpe-me mas não ficou clara sua resposta em relação ao contexto dessa música com globalização avanço tecnológico e científico,gostaria de saber uma interpretação mais textual em relação a letra dessa música com pós-modernismo,pois sou aluno do curso de letras da universidade federal do Piauí e estamos analisando essa música,preciso dessa resposta urgente.obrigado.

  17. 17

    admin said,

    May 1, 2011 @ 11:26 am

    Awyk Lopes:

    A análise dessa música começou a ser feita em Expresso 2222. Pertence a um bloco de músicas que intitulei com a Fase Relativista do Gil. Convém ler.

    Mundo e Terra pequenos e grandes diferiram nos concitos à partir da invenção da antena Parabólica. Por exemplo, o que antes era distante, se limitava ao alcance visual tendo como referência o horizonte.

    Para explicar melhor, Gil faz uma comparação subjetiva das noções de Tempo, Velocidade e Espaço, cuja relação é a Equação Máxima da Cinemática S=V.T.

    De jangada leva uma Eternidade
    De saveiro leva uma Encarnação
    De avião o tempo de uma Saudade
    Pela Onda Luminosa leva o tempo de um Raio.

    Nenhum segredo pós-modernista de avanço tecnológico, já que antes da nossa Semana Literária de 22, tida como Movimento Modernista Brasileiro, já havia Jangada, Saveiro e Avião; e as primeiras noções de Onda Luminosa surgiram com Einstein em 1920, quando decifrou os segredos da propagação da luz pelo comportamento do Elétron na Eletrosfera.

    A única novidade pós-modernista foi o surgimento da antena parabólica, originária da evolução dos estudos de Einstein no campo da Microonda.

    Parabolicamará, antes de qualquer dissertação científica pós-modernista, é uma interpretação subjetiva do poeta em relação ao mundo que o cerca.

    Leia o restante das músicas e tire delas uma boa base de argumento no seu trabalho escolar.

    Grato pela confiança e volte sempre.
    Dalton.

  18. 18

    Talita said,

    October 18, 2011 @ 11:46 am

    Olá! Usei este post como uma das referências na composição de um artigo. Como posso citar seu nome como autor? Procurei em todo o site, não encontrei. Dalton…?

  19. 19

    admin said,

    October 18, 2011 @ 1:58 pm

    Talita:

    Grato pela referência, e o nome é Dalton de Barros Santos.

    Volte sempre.
    Dalton.

  20. 20

    Carl Marqx said,

    December 6, 2011 @ 4:12 pm

    Parece que Chico Ferreira e Bento são personagens (pescadores) de uma música de Dorival Caimi – acho que é aquela que fala que a jangada vai sair – ou saiu – pro mar (A Jangada voltou só!).

  21. 21

    admin said,

    December 6, 2011 @ 4:31 pm

    Carl:

    Obrigado pela informação. Vou verificar e depois, caso proceda por inteiro, colocarei na postagem e direi quem me informou.

    Grato pela visita, pela colaboração e volte sempre.
    Dalton.

  22. 22

    admin said,

    December 6, 2011 @ 8:23 pm

    Pronto Marqx!

    A informação já foi adicionada na postagem.

    Mais uma vez, grato.
    Dalton.

  23. 23

    Mark Mazzurco said,

    December 14, 2011 @ 2:01 pm

    I’m sometimes to running a weblog and i actually admire your content. The post has certainly peaks my interest. I’m going to bookmark your webpage and preserve checking for new specifics.

  24. 24

    My Homepage said,

    December 15, 2011 @ 2:42 pm

    Thank you for the auspicious writeup. It in fact was a amusement account it. Look advanced to more added agreeable from you! However, how could we communicate? 925469

  25. 25

    My Homepage said,

    December 17, 2011 @ 9:08 am

    … [Trackback]…

    [...] There you will find 86606 more Infos: mpbsapiens.com/parabolicamara/ [...]…

  26. 26

    admin said,

    December 17, 2011 @ 12:10 pm

    Thank´s

  27. 27

    facebook of sx said,

    December 18, 2011 @ 5:31 am

    local dating sites…

    There are some interesting deadlines in this article but I don???t know if I see all of them center to heart. There is some validity however I’ll take hold opinion till I look into it further. Good article , thanks and we want more! Added to FeedBurne…

  28. 28

    http://clubmatebs.wallawallabingbang.de/wikka.php?wakka=LeeBaordWartrolisinfactahomeopathicmedication said,

    January 2, 2012 @ 12:11 pm

    Reading this reminds me of my old space mate. That guy was one in the smartest human beings I know, but he was somewhat odd for my tastes though. Anyways I appreciated reading this, thanks. Will give me anything to go into when I see him.

  29. 29

    facebook of sex said,

    January 4, 2012 @ 1:29 pm

    dating usa…

    I’d personally also like to mention that most of those who find themselves without health insurance are typically students, self-employed and those that are out of work. More than half of those uninsured are under the age of 35. They do not experience…

  30. 30

    Maris Mitchiner said,

    January 5, 2012 @ 3:40 am

    I genuinely like what you guys are often up too. This sort of clever work and reporting! Maintain up the incredible works guys I’ve incorporated you guys to my own blogroll.

  31. 31

    Adrian said,

    February 11, 2012 @ 6:33 pm

    Oque siguinifica TERRA e MUNDO para gil?

  32. 32

    admin said,

    February 11, 2012 @ 8:11 pm

    Adrian:

    Ninguém pode ser preciso ao analisar a cabeça alheia. Portanto, ou melhor, por menos, não sei o que o Gilberto Gil pensa sobre os significados que você pede, mas os seus textos sugerem o seguinte:

    Mundo – Resultado do que as sociedades constroem na existência comum.

    Terra – Local onde elas aplicam as suas variações como Mundo.

    Amarra teu arado a uma estrela
    E aí tu serás
    O lavrador louco dos astros
    Um camponês solto no céu
    Pois quanto mais longe da Terra
    Tanto mais longe de Deus.

    Outros diriam essa mesma coisa deste modo:

    “Um homem sem religião é como um peixe fora do Aquário”.

    Ajudou?

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  33. 33

    RICARDO said,

    February 12, 2012 @ 8:36 pm

    esta análise morfológica da musica me ajudou em vários trabalhos da escola
    de+!!!!

  34. 34

    RICARDO said,

    February 12, 2012 @ 8:36 pm

    DE+

  35. 35

    RICARDO said,

    February 12, 2012 @ 8:39 pm

    YEAH

  36. 36

    admin said,

    February 13, 2012 @ 6:41 am

    Fico feliz que tenha gostado e feito um bom uso, Ricardo. O objetivo é esse mesmo.

    Grato pela visita e volte sempre.
    Dalton.

  37. 37

    admin said,

    February 29, 2012 @ 10:08 am

    http://www.youtube.com/watch?v=n_B4nfEMxjg&list=FLIp4ojngO4Hte11scgsndxQ&feature=mh_lolz

  38. 38

    admin said,

    February 29, 2012 @ 10:11 am

    aa http://www.youtube.com/watch?v=n_B4nfEMxjg&list=FLIp4ojngO4Hte11scgsndxQ&feature=mh_lolz

  39. 39

    Alanna said,

    June 6, 2012 @ 12:46 pm

    Oi queria saber o signifaco dessa música junto com o filme um dia de fúria!

    muito obrigado!!

  40. 40

    Alanna said,

    June 6, 2012 @ 12:48 pm

    Preciso desse analise o mais rapido possivel!!

  41. 41

    admin said,

    June 6, 2012 @ 4:49 pm

    Alana:

    Sobre o filme nada sei. Nunca ouvi falar dele. Sobre a música, a análise é a que está aí, com as noções subjetivas de Tempo do Gilberto Gil ao comparar a capoeira do passado com a antena parabólica do presente pertencente à época em que a música foi escrita.
    Sinto não poder ajudar mais.
    Dalton.

  42. 42

    Marcia Regina de Oliveira Lupion said,

    February 19, 2013 @ 11:48 am

    Olá, obrigada pelas informações. Sou professora de história e gostaria de utilizar essa música numa das aulas sobre a ideia de tempo e suas informações são essenciais para que a atividade seja completa.
    Gratidão, Marcia.

  43. 43

    admin said,

    February 19, 2013 @ 12:21 pm

    Professora Marcia:

    Fico feliz por ajudá-la dessa maneira, pois a proposta original deste espaço é exatamente essa.

    Grato pelo incentivo e volte sempre.
    Dalton.

Comentário RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário